Desodorante stick de “cristal”: mitos e como funciona




O desodorante do universo natural mais diferentão do mercado (cristalino, inodoro, incolor e minimal) tem um aspecto encanta e faz jus ao apelido: cristal. Mas também é conhecido como "desodorante de pedra".


A origem é direto da natureza: o alúmen de potássio, um poderoso mineral natural bactericida usado nos desodorantes para prevenir o aparecimento do odor. Por ser retirado da natureza, ele é polido à mão e acaba não sendo um bem renovável. Então há uma versão feita em laboratório que é o ammonium alum. Ambos os casos  têm a mesma função e eficiência de um bactericida potente que não precisa impedir a transpiração. Como já contei por aqui, transpirar é uma função essencial do organismo.


Além de livre de todos os ingredientes nocivos, como parabenos, triclosan e fragrâncias sintéticas, é vegano e natural – mas sempre cheque o rótulo da marca que for comprar.


Desosdorante pedra\cristal: raio-x da fórmula e confusão com termos


É preciso entender que tanto o alumen de potássio  quanto o ammonium alum (citados acima como componentes desse tipo de desodorante) são formas de alumínio. A questão é que eles não fazem mal ao organismo porque suas moléculas (grandes) não são absorvidas. Por isso, inclusive, permitem a transpiração, ainda que algumas pessoas relatem um certo controle. Ou seja, desde que estejam puros em uma embalagem, são considerados totalmente seguros.


A questão que já fez surgir dúvidas sobre o stick de cristal é que justamente por serem uma forma de alumínio algumas pessoas o confundem com o cloridrato de alumínio, que é o tipo de alumínio considerado vilão. Usado com popularidade entre as fórmulas convencionais, sobretudo as que são anti-transpirantes, esse tipo é responsável por bloquear a transpiração e, logo, a liberação de toxinas.


Não à toa está no alvo de pesquisas que o associam ao desenvolvimento de câncer de mama – embora não haja nenhuma conclusão definitiva. A endocrinologista Alessandra Rascovski explica que ele pode penetrar na pele e atingir o sistema circulatório. “Os estudos mostram que o excesso deste pode influenciar na causa de câncer, desequilíbrio hormonal e doenças degenerativas”.


Outra confusão: a pedra hume, comprada em farmácia e mais barata, não tem a composição pura, então não é a mesma coisa!


Como usar o desodorante de pedra cristal


Basta umedecer e/ou molhar o cristal com água e aplicar diretamente na axila (limpa, lavada, sempre!). De preferência: passar, esperar secar e passar novamente. Se ele cair, verifique se não tem rachaduras e lascas que possam arranhar a pele.


Minha experiência


Passei os últimos cinco anos utilizando desodorantes artesanais que eu mesma fazia, alternando entre a receita de óleo de coco e bicarbonato e leite de magnesia puro, quando comecei a fazer uma apuração para a semana do desodorante publicada no instagram (@anaturalissima). Comecei a usar o stick de cristal da Alva em julho, e desde então passei a alternar com o teste de outros tipos. Ele foi o único potente o bastante para segurar o ce-cê durante o treino na academia e corrida na rua. Em dias normais, sem muita suadeira e calor, nem mesmo precisei reaplicar durante o dia. Achei prático, potente e com bom custo beneficio.



No Brasil há algumas marcas, mas só testei e considerei duas realmente como naturais: Alva, alemã, e a Lafes, americana. Ambas são comercializadas aqui por uma importadora de Santa Catarina. O desodorante stick da Alva são feitos de Ammonium alum que é a forma do alúmen de potássio feito em laboratório.  E os da Lafes com  o alúmen de potássio natural.

Por aqui  um frasco de 120g custa cerca de R$ 85. É o preço mais alto do mercado, porém a promessa é de durar dois anos (o que resultaria em cerca de R$ 3 por mês!). Um bom custo-benefício.


Eles são encontrados no sites das respectivas marcas e também na loja Use Orgânico – onde temos parceria de 5% de desconto. Basta usar o código USEANATURALISSIMA (tudo junto e minúsculo) no check-out.


#Saúde #ConsumoConsciente #compras #desodorante #pele